Representantes de hospitais negam direcionamento para compra de próteses

Por em junho 2, 2015

O representante da diretoria do Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro, Mario José Bueno, disse há pouco aos deputados da CPI da Máfia de Órteses e Próteses que até hoje não chegou nenhuma denúncia ao hospital de uso desnecessário de próteses nem de superfaturamento.

Ele afirmou que as atas e pregões para aquisição de equipamentos são feitas depois de ampla pesquisa de preços, feita conforme a legislação. Ele disse que o uso das próteses e órteses é indicado pelos médicos, que fazem o pedido de materiais.

Esse pedido é encaminhado a uma área assistencial e depois ao diretor do hospital, que, somente aí, o encaminha para a área de administração, que autoriza a aquisição.

Ele afirmou ainda que não existe uma equipe especializada nesse setor no Hospital do Servidor, o que também foi confirmado pelo representante do Hospital de Bonsucesso, Luiz Carlos Moreno, que respondeu praticamente nos mesmos termos do outro representante hospitalar.

Moreno disse que não tem conhecimento de direcionamento para a aquisição de equipamentos, e que o processo do hospital assegura a competitividade. Segundo ele, qualquer aquisição também é feita depois de ampla pesquisa de preço.

(Informações da Agência Câmara)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *