Remédio chinês contra leucemia é tema de novo debate na Câmara

Por em maio 11, 2017

As comissões de Defesa do Consumidor; e de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados realizam nesta quinta-feira (11) a segunda audiência pública sobre a eficácia do remédio contra a leucemia produzido na China, o asparaginase.

Desta vez os parlamentares vão ouvir representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da indústria farmacêutica e médicos, atendendo a requerimento do deputado Marcus Pestana (PSDB-MG).

A asparaginase é utilizada para o tratamento de leucemia linfoide aguda, que atinge principalmente crianças. No Brasil, quatro mil pacientes do SUS recebem o medicamento. Porém, desde 2010 o Ministério da Saúde vem enfrentando problemas na importação do produto. Neste ano, o ministério comprou o remédio da China, o que foi alvo de críticas veiculadas por meios de comunicação.

Ontem o ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse, na Câmara, que o medicamento chinês é eficaz.

O deputado Aureo (SD-RJ), que pediu a audiência com o ministro, afirmou que Barros conseguiu demonstrar que não houve superfaturamento na compra da asparaginase da China. Mas, para o parlamentar, são necessários mais estudos para comprovar a eficácia do produto.

Debatedores
Foram convidados para discutir o assunto nesta quinta:
– o diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Renato Teixeira Lima;
– o representante da Anvisa Leonardo Batista Paiva;
– a superintendente do Centro Infantil Boldrini (hospital filantrópico especializado em oncologia), Luciana Maldonado;
– o consultor da Interfarma (associação que representa os laboratórios farmacêuticos responsáveis pelo desenvolvimento da pesquisa científica e tecnológica) Dirceu Barbano; e
– o presidente-executivo do Grupo FarmaBrasil (entidade que representa os interesses das indústrias farmacêuticas nacionais), Reginaldo Arcuri.

*Informações da Agência Câmara

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *