Artigo: O direito-dever de sigilo na proteção ao paciente

Por em dezembro 11, 2015

O texto, de Maria Elisa Villas-Bôas, reflete sobre o dever de sigilo profissional em saúde quanto às informações recebidas do paciente durante a assistência médica como cumprimento de um direito desse paciente, bem como de sua proteção.

Embora tido como um dos mais tradicionais preceitos morais da assistência em saúde, o sigilo ainda é um dos princípios menos respeitados, fato particularmente preocupante em épocas de intensa exposição da intimidade como os tempos atuais. De outro lado, a garantia da confidencialidade, além de estimular o vínculo profissional-paciente, pode favorecer a adesão ao tratamento e a tomada de decisões mais autônomas, ao assegurar ao paciente a não exposição de circunstâncias de sua vida pessoal que possam ensejar julgamentos que ele deseja evitar, mesmo aos entes mais próximos. O sigilo, nesse contexto, funciona como mecanismo de proteção ao paciente no tocante a seus valores e vivências pessoais, lastreando a necessária confiança na relação médico-paciente.

Para ler o texto na íntegra, clique aqui.

*Artigo originalmente publicado na Revista Bioética (nº 3/2015), do Cremesp. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *