DPU assegura medicamento para paciente com gravidez anembrionária

Por em Janeiro 8, 2016

Mossoró – H.S.F.V.R., de 36 anos, conseguiu na Justiça, com auxílio da Defensoria Pública da União (DPU) em Mossoró (RN), uma liminar para receber medicamentos necessários para garantir o tratamento de saúde dela em função de uma gravidez anembrionária (ou anembrionada), que acontece quando o saco gestacional permanece vazio, sem embrião dentro, observado por meio de ultrassonografia, no primeiro trimestre da gravidez.

Para o seu adequado tratamento, os médicos que a acompanham receitaram a vacina Mathergan, visando a reduzir os impactos no organismo da assistida e evitar consequências às próximas gestações dela.

Apesar de a vacina integrar o rol de medicamentos fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o hospital que tinha a medicação se recusava a fornecê-lo. A paciente ainda tinha a necessidade de tomar o medicamento em até 72 horas, com risco de ter consequências no organismo ou ter outros problemas em uma futura gravidez. A assistida compareceu desesperada no núcleo de Mossoró, após o expediente, e foi atendida pelo plantão regional da Defensoria.

Reconhecendo a gravidade da situação, a DPU em Mossoró entrou com ação na Justiça pedindo o fornecimento do tratamento de saúde para a assistida, tendo liminar concedida pela Justiça Federal, que determinou a entrega dos medicamentos que melhorarão a qualidade de vida e ajudarão em uma possível nova gestação.

*Informações da Defensoria Pública da União

Um comentário

  1. Andreialucenanogueiraaraujo@gmail.com

    07/11/2017 at 12:38

    Gente eu já tive 2 gestações anembrionadas e já fiz exames não deu nada isso tem tratamento?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *